Revista Mercado Automotivo

Anuncie

Revista Mercado Automotivo | Edição 258

MATÉRIA DE CAPA - Edição 258: Fevereiro DE 2017
Publicidade

Por Redação

Iniciar esta reportagem significa questionar algo que muitos gestores ainda desconhecem. Afinal, você sabe o que significa taxa de turnover? O índice não deve fugir de vista dos empresários, pois uma correta avaliação de suas causas e consequências é fundamental para que se vislumbre um cenário de médio e longo prazos para as companhias.

A taxa de turnover nada mais é do que um índice que avalia a rotatividade de colaboradores de uma empresa. É claro que um período de crise econômica como este que enfrentamos nos últimos anos pode causar distorções nesta avaliação, já que muitas empresas tiveram de cortar um número significativo de posições para evitar deterioração em suas estruturas financeiras. No entanto, é importante que seja destacado, principalmente, a quantidade de funcionários que têm optado, por iniciativa própria, a desligar-se da empresa. Assim, será possível chegar a um índice que leve em consideração tanto os funcionários que foram demitidos quanto aqueles que pediram demissão.

De acordo com Ricardo Barbosa, diretor executivo da Innovia Training & Consulting e especialista em Project Management pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/SP), se o índice de saída de colaboradores for alto, o cenário torna-se muito oneroso para a empresa. “[Isto porque] a cada saída de funcionário existem custos e outros [custos] que ocorrem na admissão de outro funcionário”, afirma Barbosa, referindo- se ao processo de substituição de um colaborador por outro.

De fato, uma demissão, a depender do funcionário, pode onerar significativamente as finanças de uma empresa. Se isso ocorre com frequência e sem qualquer previsibilidade, o cenário pode se tornar desastroso. Imagine a situação de uma empresa que entenda ser necessário demitir um funcionário que tem cinco anos “de casa”. Em um cenário no qual o colaborador recebe R$ 2 mil de salário mensal, R$ 150 de vale-transporte e R$ 300 de vale-refeição, seu custo final para a empresa seria de cerca de R$ 3,4 mil por mês. Esse é o cenário dos altos encargos trabalhistas que, muitas vezes, impactam negativamente o próprio trabalhador.

A situação fica ainda mais complexa quando a empresa decide ser necessário demitir esse funcionário. Nesse caso, além de ter de pagar Turnover: qual é a taxa de sua empresa? Conhecimento detalhado de contratações e demissões é fundamental para manter saúde financeira da empresa Capa Redação 20 istockphoto.com pelos dias trabalhados no mês em questão, será necessário escolher entre pagar mais um salário mensal para mantê-lo no quadro ou pagar pelo período de aviso prévio indenizado, que também corresponde a um salário mensal, mesmo que ele já esteja fora da empresa. Se a demissão ocorrer sem justa causa, a companhia também deve pagar 40% de multa sobre o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) de tudo o que foi depositado ao funcionário no período em que esteve na empresa. Por fim, terá de pagar também pelo correspondente ao décimo terceiro salário e às férias. Ou seja, o custo para a empresa pela demissão de um único funcionário pode chegar ao equivalente a quase um ano de salários do mesmo colaborador.

A decisão de demitir um funcionário, portanto, não deve ser algo definido de uma hora para outra. Trata-se de uma escolha que pode impactar significativamente as finanças da companhia, ainda mais em um período de crise. Quando a opção pela saída parte do próprio funcionário, os custos para a empresa acabam sendo, em tese, menores. Apenas em tese, no entanto. Afinal, é necessário levar em consideração que esse mesmo colaborador terá de ser substituído e a empresa consequentemente terá de arcar, além do custo de admissão do novo funcionário, com o treinamento e o período de adaptação que este terá de receber. Quanto mais vezes esse processo acontecer à revelia da empresa, pior será para a situação da companhia a médio prazo.

COMO IMPEDIR UM TURNOVER NEGATIVO?

Neste momento, já está claro que o custo de uma demissão (tanto quando parte da empresa como quando parte do funcionário) é alto. É importante, portanto, que as companhias saibam identificar a frequência com que demite colaboradores e a frequência com que tem de lidar com pedidos de demissão.

Para o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), o turnover pode sim resultar em consequências negativas para as empresas. Mas também pode ser um momento para rever a situação da companhia, buscando identificar onde estão as falhas e até renovar a equipe de trabalho, capacitando-se para não repetir os mesmos erros.

“Para tentar diminuir a alternância de funcionários na sua empresa, é importante verificar os índices de rotatividade de pessoal. Isso pode ser feito com a identificação, em nível quantitativo, das contratações e rescisões. As pesquisas de clima são as mais recomendadas para fazer essa análise, pois é possível avaliar se os funcionários estão motivados, quais são suas expectativas e se existem problemas de relacionamento interno interferindo em seu desempenho”, aponta o órgão em seu portal dedicado aos empreendedores.

Com a pesquisa de clima, o gestor tem a possibilidade de entender quais são os principais problemas vistos pelos funcionários em seus cotidianos de trabalho. Obviamente algumas queixas não poderão ser sanadas, seja por problemas de ordem financeira ou de ordem prática. No entanto, essas avaliações permitem entender questões que atingem boa parte do quadro de colaboradores e que podem ser contornadas. Por exemplo, a falta de flexibilidade com os horários de entrada e de saída. O Sebrae aponta ainda outros problemas que podem aumentar o turnover nas empresas:

• Insatisfação com o trabalho: ainda que o mercado esteja em crise para contratar, diante da insatisfação com o trabalho o funcionário pode optar pela saída se conseguir uma vaga minimamente superior à atual.

• Problemas na gestão de pessoas: muitas vezes as próprias empresas falham na condução de seus funcionários, sem deixar claro o que espera de cada um e sem especificar um rumo na carreira daqueles que mais se destacam de forma positiva.

• Clima organizacional ruim: por mais que todos valorizem a questão financeira, por vezes são os conflitos no ambiente de trabalho que acabam sendo determinantes para que um funcionário decida pular do barco. Se o gestor não se atenta a isso, acaba perdendo a equipe invariavelmente.

• Mercado de trabalho aquecido: não é o caso atualmente no Brasil. Ao menos na maior parte dos setores da indústria e de serviços. No entanto, pode ser determinante para a busca de novos horizontes. www. revistamercadoautomotivo.com.br 21

• Inadequação ao perfil da vaga: é por isso que o processo seletivo precisa ser o mais preciso possível. Se a empresa erra na contratação, terá de lidar com uma demissão mais cedo ou mais tarde. Ou seja, vai perder dinheiro.

• Pouca experiência: este motivo está associado ao anterior. Se a empresa contrata alguém que não tem a experiência necessária para determinada vaga, invariavelmente terá de optar, posteriormente, por outro profissional.

Portanto, se você identificou que o índice de turnover de sua empresa está elevado ou tem crescido nos últimos anos, busque verificar inicialmente se o cenário é simples fruto da crise ou se parte das demissões poderia ter sido evitada. A partir daí busque as origens do problema: sua empresa tem contratado errado e com isso demitido mais? Ou são os funcionários que têm optado por deixar sua companhia em toda e qualquer oportunidade?

No primeiro caso, tenha uma conversa clara com a área de Recursos Humanos da companhia para que, nos próximos seletivos, o entrevistador tenha bem estruturado o que espera do candidato e o que a vaga especificamente requer. Além disso, sugira que o entrevistado passe por mais de uma fase, que incluam testes práticos e teóricos e conversas com o futuro gestor. Se sua empresa não tem um setor voltado especificamente aos Recursos Humanos, mãos à obra! Designe um ou mais funcionários para atuarem nestas atividades parcialmente e/ou estruture você mesmo as próximas ações da área.

Já no segundo cenário, o importante é ouvir os funcionários. Muitas empresas optam por realizar pesquisas internas confidenciais, de modo que os colaboradores sintam-se mais à vontade para expor suas demandas. Novamente: não será possível atender a todas as demandas e a empresa precisa deixar isso claro ao longo do processo. No entanto, com a pesquisa será possível verificar o que é possível, o que é impossível e o que merece atenção caso a situação geral melhore. Pense que o custo para atender determinadas demandas pode ser muito inferior ao que você gastaria com possíveis rescisões contratuais.

Veja a seguir mais dicas formuladas pelo especialista Ricardo Barbosa para reduzir o turnover de sua empresa:

1. Quando o colaborador pede demissão ou é demitido, faça uma entrevista pessoal para saber o motivo. Mas atenção: questionário estruturado para ser preenchido por mera formalidade de nada adianta;

2. Compare o salário que você oferece com os de outras empresas do mesmo segmento. Muitas vezes você terá a triste descoberta de que está formando mão de obra para a concorrência;

3. Sua empresa possui um plano de carreira claro? Tenha definido até onde os colaboradores podem chegar e o que irão executar e ganhar;

4. Como são feitas as reciclagens/ aperfeiçoamento? Solicite a apostila e participe de algum curso. Olho nisso, pois é comum mandar o funcionário participar mais de uma vez do mesmo treinamento inicial, sob a alegação de que “vamos ver se assim ele aprende”.

5. Sua empresa tem políticas para plantão de finais de semana, feriados e horas extras? É comum escalar o pessoal com o intuito de punição. Esse é um ponto muito importante, veja se a empresa não possui protegidos. Qual o número de faltas aos sábados e domingos? Confira também as faltas às segundas- feiras (dia de procurar outro emprego).

6. Atestados médicos também demonstram problemas. Assim, confira e confirme os motivos. Não se assuste com as justificativas daqueles que vão acompanhar parentes sob a alegação de que, faltando ou não, ninguém se importa.

7. Qual o clima que reina na empresa? Como os supervisores e monitores de qualidade tratam os colaboradores? Eles dão feedback? Pesquise estes dados cuidadosamente.

Acima de tudo, fique atento! Se você mesmo não sabe qual o índice de turnover de sua empresa, bem como os motivos que têm levado seus funcionários a pedir demissão, a tendência, com o tempo, será uma deterioração cada vez mais intensa de seu capital humano e, consequentemente, financeiro.

Design: Agência Bcicleta
Sistema: alc propaganda - criação de sites

Telefone: (011) 2639-1462 / 2639-1082
editora@photon.com.br