Revista Mercado Automotivo

Anuncie

Revista Mercado Automotivo | Edição 231

MATÉRIA DE CAPA - Edição 231: Abril DE 2014
Publicidade

Por Cléa Martins

A 4ª Automec Pesados & Comerciais, feira internacional especializada em peças, equipamentos e serviços para veículos pesados e comerciais, abriu as portas no dia 1º de abril, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo, sob a ótica de um mercado otimista. Se de um lado o faturamento do setor de autopeças teve crescimento de 4,3% no acumulado de janeiro a novembro de 2013 em comparação ao mesmo período de 2012, de acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Componentes de Veículos Automotores (Sindipeças), de outro, a frota circulante de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus ultrapassou os 40 milhões de unidades em 2013. Deste montante, 25% são comerciais leves e veículos pesados. “No total são 1,7 milhão de caminhões, 6 milhões de comerciais leves e 386 mil ônibus. Os dados mostram que a frota cresceu 5,7% em 2013”, afirmou Elias Mufarej, conselheiro do Sindipeças para o mercado de reposição e coordenador do GMA – Grupo de Manutenção Automotiva.

O levantamento do Sindipeças aponta ainda que, no faturamento do segmento, as vendas para montadoras e o mercado de reposição cresceram 8,5% e 4,8%, respectivamente, demonstrando que as grandes empresas do setor estão apostando cada vez mais no mercado brasileiro.

As safras recordes também influenciam positivamente o segmento, acredita Renato Giannini, presidente da Associação Nacional dos Distribuidores de Autopeças (Andap) e do Sindicato do Comércio Atacadista, Importador, Exportador e Distribuidor de Peças, Rolamentos, Acessórios e Componentes para Indústria e para Veículos no Estado de São Paulo (Sicap): “A maior parte do PIB gerado pelo País é movimentada sobre rodas e o setor de reposição acompanha essa evolução e vem crescendo, mesmo diante de novos desafios para todos os elos da cadeia do setor de reposição automotiva, entre eles, aumento do número de itens para atender a frota circulante diversificada”.

Diante de um quadro tão favorável, a feira conseguiu reunir 520 expositores responsáveis por mais de 600 marcas. Um avanço em relação à primeira edição da Automec Pesados, que aconteceu em outubro de 2008 e reuniu pouco mais de 400 marcas. “O setor de autopeças está crescendo bastante no Brasil e o mercado está vendo seus lucros aumentar. As grandes montadoras não precisam mais importar os produtos, pois temos aqui qualidade igual ou até superior. E a Automec Pesados & Comerciais é um espaço para que compradores e empresários possam fechar negócios e conhecer as novidades e potenciais do setor”, disse Rodrigo Rumi, diretor de Portfólio Automotivo da Reed Exhibitions Alcantara Machado.

Apesar do aumento nas participações, a feira, que é voltada para os profissionais do setor, como compradores da indústria automobilística nacional e internacional, comerciantes de autopeças e acessórios, profissionais de logística, empresários da indústria, frotistas e oficinas mecânicas, vai além da vitrine de novos produtos e tecnologias. Ela serve também para levantar bandeiras e unir o segmento na luta de causas em prol tanto do mercado como da sociedade. Por isso, as entidades que representam os mais diversos elos da cadeia de autopeças e reparação de veículos aproveitaram a ocasião para destacar alguns assuntos primordiais, entre eles a importância da inspeção veicular. “Com a inspeção ambiental veicular consegui ver o céu mais estrelado em São Paulo”, afirmou Antonio Fiola, presidente do Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo (Sindirepa-SP), demonstrando que a medida melhorou as condições dos veículos da frota circulante e, consequentemente, da qualidade do ar na cidade: “Foi um erro a prefeitura de São Paulo abolir o programa sem ter colocado nada em seu lugar”.

Paulo Butori, presidente do Sindipeças, que também esteve presente no evento, concordou com a importância da inspeção de emissões, mas enfatizou que se deve ter atenção com a inspeção técnica veicular.

A renovação de frota foi outro tema lembrado por Butori. Segundo ele, esse programa tem dois pilares de sustentação – segurança à vida e a proteção ao meio ambiente. Atualmente, 4% da frota possui mais de 20 anos, o que motiva a implantação de um programa que incentive a troca dos veículos usados por novos, especialmente entre os proprietários de caminhões e ônibus. Segundo ele, as entidades já trabalham na elaboração de um projeto sobre o assunto, falta apenas definir a contribuição da iniciativa privada e do governo.

Paulo Bedran, diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), que esteve na abertura do evento, ressaltou que o governo federal não irá se omitir e se comprometeu a reativar o debate sobre inspeção veicular. O Ministério já está participando ativamente das ações do Contran e levará o tema para o órgão. Sobre a renovação da frota, Bedran disse que os estudos já estão avançados no âmbito federal para retirar de circulação os veículos com mais de 30 anos de uso.

A formalização do varejo e a valorização da expertise logística dos distribuidores foram outros pontos ressaltados no evento. Para Francisco de La Tôrre, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Peças e Acessórios para Veículos no Estado de São Paulo (Sincopeças-SP), a formalização do negócio por meio de novas tecnologias da receita federal também provoca mudanças no setor, como melhoria na qualidade de atendimento e gestão. “Apesar das ameaças econômicas, estou otimista com o cenário”, afirmou.

Ainda segundo La Tôrre, o fato da formalização do varejo ser algo inevitável tem gerado interesse de investidores e grupos internacionais. Por todas estas mudanças e a entrada do e-commerce, a entidade quer mostrar aos empresários como esse canal pode ser interessante e ajudar a encontrar meios de tornar o ponto de venda uma experiência agradável de consumo. “Esse é o desafio do varejo”, aponta o presidente do Sincopeças-SP, que promoveu durante a feira a palestra “V@rejo on-line”. (Mais sobre o tema no box Eventos Paralelos)

Seja quais forem as mudanças, o distribuidor está preparado, acredita Rodrigo Carneiro, vice-presidente da Associação Nacional dos Distribuidores de Autopeças (Andap). Seus investimentos constantes e expertise permitem que tenham uma capilaridade de atendimento no País hoje que nenhuma concessionária tem: “O distribuidor, frequentemente, tem de fazer entregas três a quatro vezes ao dia. Somos benchmarking para o mundo”. O executivo ressaltou ainda a excelência do aftermarket, apesar de alguns problemas que precisam ser sanados: “O segmento de reparação independente e o aftermarket detêm 80% da manutenção de veículos leves e pesados e contamos com 3 mil pontos de distribuição, que garante ampla cobertura em todo o território nacional e representa 70% das redes de concessionárias de todas as marcas do Brasil. Além disso, temos competência em logística”, concluiu.

Cerca de 30 mil visitantes, entre eles compradores internacionais de 51 países, como Argentina, Peru, Bolívia, Chile, Colômbia, Paraguai, Uruguai, Estados Unidos, Itália, Equador, entre outros, passaram pela feira, que acabou no dia 5 de abril. Para saber mais sobre esses profissionais e até entender melhor o potencial do evento, o Sindipeças promoveu durante a Automec Pesados & Comerciais uma pesquisa que vai apontar novas demandas e identificar melhor o objetivo do visitante na exposição. Segundo Antonio Carlos Bento, conselheiro do Sindipeças, responsável pela área de feiras e eventos, o objetivo é ajudar o expositor a de fato promover negócios, sabendo identificar onde estão as oportunidades. Segundo ele, a entidade também está intensificando ações do Projeto Comprador, em parceria com a Apex-Brasil, para promover reuniões de negócios. Só nesta edição da Automec estavam previstos 420 encontros com compradores de diversos países.

Em levantamento entre os pré-credenciados para o evento, 35% dos visitantes são tomadores de decisões, 80% participam do processo de compras e 55% ocupam cargos de liderança (gerentes, diretores, presidentes e sócios proprietários). O ramo de atividade que mais atraiu a atenção dos credenciados foi o de Oficinas/Centros Automotivos/Reparação (36%), seguido dos de Distribuição (25%), Varejo/Comércio/Reposição (20%), Frotistas (14%), Concessionárias e Fabricantes, ambas com 3%. “Esses números são ótimos e nos surpreendem. Na pesquisa notamos ainda que 52% dos credenciados estão interessados em procurar parceiros e manterem-se informados. Isso mostra que a feira está se consolidando como um gerador de negócios e apostamos muito no seu sucesso”, afirmou Rodrigo Rumi, da Reed.

Novidades
Além da exposição de novos produtos e tecnologias, a Automec Pesados & Comerciais promoveu o Fórum Automec, evento que discutiu, durante dois dias, oportunidades, desafios e soluções para todo o setor de autopeças e reposição. “Desdobramentos e Oportunidades da Inovar Autopeças para o Mercado Brasileiro” e “Aproximando a Cadeia dos Canais de Distribuição-Acesso e Compartilhamento de Informações” foram os temas debatidos.

Outra atração do evento foi a Oficina Modelo. Criada para que as empresas pudessem fazer demonstrações técnicas e práticas de seus produtos aos visitantes, explicando o uso correto e suas vantagens. O espaço atraiu milhares de profissionais, entre eles 200 alunos dos cursos técnicos da área de mecânica do Senai-SP/Fiesp.

Depois das demonstrações técnicas de produtos e ferramentas, os participantes das aulas receberam um certificado. Realizado com apoio do Sindirepa-SP, Senai e IQA, o evento contou com oito patrocinadores: Mercedes-Benz, Ezatta, Rokim, Rotary Lift, Sebrae, Duroline, Original Filter e Corneta.

EXPOSIÇÃO
Consolidado como o maior ponto de encontro entre os principais representantes do setor de peças, equipamentos e serviços voltados para veículos pesados e comerciais da América Latina, a Automec Pesados & Comerciais foi palco de muitas novidades, confira algumas:

AFFINIA AUTOMOTIVA – A Affinia Automotiva, pertencente à Affinia Group – multinacional norte-americana líder mundial em fabricação e distribuição de componentes automotivos para o mercado de reposição –, apresentou no evento conceitos de novas tecnologias em cardans, além de lançamentos das marcas Spicer, Nakata e Wix. Bastante focada no atendimento e na orientação técnica, a equipe de técnicos da Affinia, que estava à disposição dos visitantes, orientou sobre a linha de produtos e aplicação. Também distribuiu ao público novos catálogos e manuais técnicos.

AUTOLINEA – Mostrou ao público sua nova linha de kits para motores a diesel, com bronzinas, pistões, anéis e buchas. Os novos produtos são aplicados nos motores das principais marcas de caminhões do País, como Cummins, Perkins, Mercedes-Benz, MWM, Scania e Volvo. Também apresentou a nova linha de cabeçotes para vans e caminhonetes médias movidas a diesel e os cabeçotes e bloco da linha Iveco. Os complementos de linhas de produtos para motores, como o bloco 447 e o cabeçote 457, além de novos modelos de bielas, bombas de óleo e componentes para sistemas de freios, foram outras das novidades.

BORGWARNER – Focada nas modernas tecnologias para máquinas agrícolas, lançou o Turbo S300, que, segundo a empresa, alia performance e durabilidade a baixas emissões de poluentes. Vale lembrar que as novas regras para o setor agrícola a serem implantadas pelo governo devem ocorrer apenas em meados de 2017. Entre outras novidades expostas pela empresa destaque para o Turbo para Sprinter CDI, desenvolvido especialmente para o mercado de reposição global, e o Turbo Tipo EFR de Aplicação na Fórmula Truck, em aço inoxidável para alta performance em competições.

BOSCH – Apresentou soluções em peças, equipamentos de diagnose e ferramentais, além de linha completa de autopeças e linha Reman. Destaque para a nova bancada diesel EPS625, com preço mais acessível. Ela permite que oficinas testem e regulem bombas rotativas de forma eficiente, possibilitando imprimir relatórios de testes e gravar os dados e testes realizados.

EATON – A companhia apresentou novos volantes para motores, além de uma linha de embreagens para caminhões e ônibus a partir de 7 toneladas; seu portfólio de produtos remanufaturados; caixas de câmbio; peças e lubrificantes; tomadas de força; bloqueios de diferencial, e válvulas para motores.
A nova transmissão automatizada UltraShift® Plus MXP foi um dos destaques. A solução, considerada adequada às condições do mercado brasileiro, pode ser aplicada em caminhões pesados rodoviários até 74 toneladas e está disponível em 16 ou 18 velocidades a frente e 4 a ré.

Elring – A marca de autopeças de reposição da ElringKlinger do Brasil apresentou as Juntas de Cabeçote (metal-borracha) para motores MWM X12 Acteon - EURO 5, MAN D0834, D0836 e D2676, Scania DC 13 e a Junta da Tampa de Válvula para motor Iveco Cursor 8L. No já típico tradicional estande em estilo alemão, os principais executivos da empesa aproveitaram para esclarecer as dúvidas do público

HENKEL – Destacou as soluções para mercado de reposição e indústria automotiva, como o Loctite SF Auto 100, um descarbonizante com odor agradável e biodegradável que realiza com alta performance a limpeza de bicos injetores e canalizações do sistema de injeção eletrônica. Altamente diluente e incolor, o produto é pronto para uso e recomendável para motores que trabalham com gasolina, etanol ou diesel.

HONEYWELL – Uma ampla linha de lonas pesadas e pastilhas para o sistema de freios de veículos comerciais e ônibus, com a marca Bendix e Jurid, estava entre as novidades da Honeywell Friction Materials. A marca promoveu ainda o lançamento simultâneo de dez turbos Garrett para o mercado de reposição dos mercados brasileiro e da América do Sul. São turbos para motores a diesel das vans Ford Transit e Citroën Jumper; da minivan Jac M2 Refine, de tratores Same e LG e automóveis Jaguar XJ e Honda Civic DTi-S. A gama de produtos envolve, também, as empilhadeiras Linde Forklift e o motor marítimo Volvo Penta.

MERITOR – Este ano a Meritor apresentou ao mercado de reposição uma linha própria de rolamentos para diferenciais, que oferece, segundo a empresa, melhor custo-benefício ao consumidor final, pois promove baixo atrito e excelente isenção de contaminação, tornando a vida útil do produto mais longa. Os amortecedores com certificado Inmetro também foram evidenciados na feira. Na extensa lista de novidades da marca há ainda as embalagens da linha de reposição, que fazem parte de uma estratégia global de padronização de identidade visual da Meritor.

SAINT-GOBAIN SEKURIT – A empresa, que presta serviços de vidros para caminhões no Brasil, na Argentina e no Chile, comemorou durante a feira a consolidação da rede Sekurit Veicom, que cria postos de serviços para transportadores nas estradas para evitar tráfego de veículos sem condições ideais de segurança ou sujeitos a instalação de produtos sem a qualidade dos originais. O objetivo é atender prontamente as necessidades dos clientes por intermédio das lojas e oficinas que integram a rede de serviços.

SCHULZ – Também novata no evento, a empresa apresentou uma série de novidades em peças e ferramentas para distribuidores, frotistas, varejistas e reparadores. Foram cerca de 150 componentes em exposição. Destaque para a linha de compressores de ar e as ferramentas pneumáticas, elétricas e manuais.

Design: Agência Bcicleta
Sistema: alc propaganda - criação de sites

Telefone: (011) 2639-1462 / 2639-1082
editora@photon.com.br